© Sérgio Lima/Poder 360 Fachada da Petrobras em Brasília (DF); empresa pretende concentrar investimentos em São Paulo e no Rio de Janeiro

A Petrobras enfrenta resistência à venda de seus ativos nas regiões Norte, Nordeste e Sul do Brasil. A informação foi publicada pelo jornal O Estado de São Paulo nesta 2ª feira (14.set.2020).

Há a negociação de 164 áreas de produção de petróleo e gás da Petrobras em todo o Brasil, segundo o Monitor do Desinvestimento –levantamento divulgado pela agência de notícias especializada epbr. Desse total, 148 áreas estão localizadas fora do eixo Rio-São Paulo.

A Petrobras vai concentrar seus investimentos no Rio de Janeiro e em São Paulo, onde está o petróleo do pré-sal. Para deixar os demais Estados, contudo, a Petrobras vai precisar negociar dívidas ambientais, tributárias e trabalhistas.

Eis outros ativos em negociação pela Petrobras nas regiões Norte, Nordeste e Sul:

  • infraestrutura logística;
  • usinas térmicas;
  • usinas eólicas;
  • usinas de biocombustíveis;
  • fábricas de fertilizantes;
  • terminais de importação de gás natural líquido.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, congressistas e governadores tentam evitar efetivação das negociações por possível queda na arrecadação e contração do mercado de trabalho nos Estados.

Em julho, as mesas diretoras do Senado e da Câmara fizeram pedido ao STF (Supremo Tribunal Federal) para anulação do que seria uma “manobra” criada pela Petrobras para facilitar a venda de ativos. A empresa teria criado subsidiárias –empresas menores ligadas à principal– para depois vendê-las. Eis a íntegra da petição (1,3 MB).

O STF decidiu em junho de 2019 que o governo federal pode vender subsidiárias de empresas estatais ou mistas sem a autorização do Congresso. A decisão se estende para governos estaduais e prefeituras.

Em agosto deste ano, senadores pediram a anulação do processo de venda de 8 das 13 refinarias da Petrobras, instaladas nas três regiões Norte, Nordeste e Sul, onde a estatal quer limitar sua atuação.

Representantes de governos e deputados de 6 Estados têm se reunido virtualmente com a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobras, do Congresso. O grupo lançou há pouco mais de 1 mês a campanha “Petrobras, fica!”.

Por Poder360