O coordenador da força-tarefa Deltan Dallagnol, disse em entrevista à Rádio Jovem Pan, ontem segunda-feira (30), que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não pode decidir se aceitará ou não uma progressão de pena, que o faria passar do regime fechado para o semiaberto e reiterou que, caso a juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução da pena do petista, conceda a mudança, o ex-presidente será obrigado a acatá-la uma vez que é igual a todos os outros presos.

O procurador disse ainda que o Ministério Público está apenas cumprindo a lei ao pedir que Lula progrida para o regime semiaberto.

“Quando uma pessoa cumpre os requisitos todos para a progressão de regime não tem só o direito, mas o Estado não pode exercer seu poder de prisão para além do que tem direito. Assim, uma vez cumpridos os requisitos, normalmente os réus pedem a progressão. Se o réu não pedir, é obrigação nossa, do Ministério Público pedir”, explicou em entrevista à rádio Jovem Pan nesta manhã.

“O que estamos fazendo nesse caso é cumprir a lei como faríamos no caso dos demais presos. O ex-presidente Lula, como os demais, deve cumprir nem mais nem menos”, acrescentou o procurador.

A queda de braço entre os Procuradores da Lava Jato e o ex-presidente Lula parece que ainda vai render muitos embates, ainda mais agora que o MPF deseja fazer a Lei ser cumprida.

Esperamos que isto sirva para que o Ministério Público passe a olhar para a classe dos encarcerados, principalmente aqueles que não possuem advogados renomados. Existe muita gente desassistida pelo sistema, dentre eles, inocentes que estão abandonados em presídios e cadeias públicas, por falta de um empenho igual ou parecido com este que estão proporcionando a Lula.