Witzel gosta de tocar trompete no Palácio Laranjeiras. Entre suas músicas preferidas, a lacrimosa “My way", eternizada por Frank Sinatra. Foto: Leo Martins / Agência O Globo

Governador do Rio celebra 'projeção mundial' após morte de sequestrador em Ponte Rio-Niterói, diz que Doria 'não é confiável' e quer ser candidato a presidente da República

O governador do Rio, Wilson Witzel , não diz que quer ser presidente. Ele afirma que será presidente, com a mesma certeza com que falava que seria governador quando ainda era traço nas pesquisas, relatam ao menos seis pessoas próximas ouvidas por ÉPOCA, entre políticos e colegas do meio jurídico.

Tamanha confiança faz Witzel assaz na crítica ao presidente Jair Bolsonaro , a quem colou sua imagem em 2018 para decolar na reta final da campanha. “O que o Bolsonaro fala, eu não falaria. Sou um pouco mais preocupado com aquilo que tenho de expressar. Meio ambiente, por exemplo. Eu não falaria em fazer cocô dia sim, dia não, como o presidente fez. Até porque isso é simplesmente inexequível. É como editar uma medida provisória sobre o uso diário de banheiro. Bolsonaro anima as redes, e o Brasil não sai do lugar.”

Leia mais: 'Se não houver rendição, tem de matar', diz Witzel

Aos 51 anos, o ex-fuzileiro naval e ex-juiz critica também João Doria . Nos últimos meses, o tucano, também em campanha presidencial antecipada, fez troça de Witzel ao batizá-lo de Rambo. “Ele estava tentando me ridicularizar. Achei absolutamente desrespeitoso. O Doria já demonstrou que não é pessoa confiável. Disse que ia cumprir o mandato e na primeira oportunidade disputou a eleição”, diz Witzel.

Na última terça (20), após um atirador de elite matar o sequestrador que mantivera 39 reféns — com arma de brinquedo — por três horas e meia em um ônibus na ponte Rio-Niterói, o governador do Rio, Wilson Witzel desembarcou de um helicóptero no meio da via e saiu vibrando para as câmeras que ali estavam como se comemorasse um gol. “Projeção mundial”, celebrou naquela noite com ÉPOCA, satisfeito com seu desempenho diante da imprensa: “Minha entrevista hoje certamente foi a melhor de todas”.