© Sérgio Lima/Poder 360 O ex-presidente Michel Temer foi denunciado em 2017 por suposta obstrução de Justiça em diálogo com o empresário Joesley Batista

A 3ª Turma do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) formou maioria nessa 3ª feira (25.ago.2020) para absolver o ex-presidente Michel Temer (MDB) pelo crime de obstrução de Justiça. O emedebista foi julgado pelo episódio no qual falou “tem que manter isso, viu?” em 1 encontro com o empresário Joesley Batista em 2017.

A desembargadora Monica Sifuentes pediu vista (mais tempo para analisar o processo), mas o colegiado já tem votos suficientes para a absolvição de Temer. Os desembargadores Ney Bello e Maria do Carmo Cardoso votaram em favor do ex-presidente.

O MPF (Ministério Público Federal) apresentou recurso contra a decisão do juiz federal Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal. O magistrado considerou que a acusação de obstrução da Justiça era “frágil” e, em outubro de 2019, absolveu Temer.

A denúncia contra Michel Temer foi feita em 2017, pelo então procurador-geral da República Rodrigo Janot. Segundo a PGR (Procuradoria-geral da República), a fala do ex-presidente era uma tentativa de silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) e o operador Lúcio Funaro, ambos presos pela Lava Jato. Temer negou as acusações. “Não comprei o silêncio de ninguém. Por uma situação singela: não temo nenhuma delação”, disse ele na altura.

Em entrevista ao Poder360 em Casa, programa do canal do YouTube do Poder360em julho de 2020, Temer creditou a Janot e Joesley a trama que teria sido arquitetada para tirá-lo do poder. Temer falou que a intenção de Janot era lhe fazer mal e, com isso, acabou fazendo mal ao Brasil. Isso porque, segundo ele, já tinha os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência ainda naquele ano. Com as denúncias, a votação não foi feita. Coube a Jair Bolsonaro aprovar a reforma.

Por Poder360