© Estadão O presidente Jair Bolsonaro visitou comércios e falou com populares na manhã deste domingo, 29, em Brasília.

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo, 29, que cogita assinar um decreto para permitir que todas as profissões possam voltar a trabalhar. O presidente tem sido crítico a medidas restritivas impostas por governadores em alguns Estados em razão da pandemia do novo coronavírus. Segundo ele, a paralisação de comércio e da circulação de pessoas causará um grande impacto na economia, o que pode levar a uma onda de desemprego e falta de sustento para trabalhadores informais.

"Eu estou com vontade, não sei se vou fazer, mas estou com vontade de baixar um decreto amanhã: toda e qualquer profissão legalmente existente, ou aquela voltada para a informalidade, mas que for necessária para o sustento dos seus filhos, para levar o leite para os seus filhos, levar arroz e feijão para a sua casa vai poder trabalhar”, afirmou ao chegar no Palácio da Alvorada neste domingo, depois de fazer uma visita a vários locais da capital federal, como padarias, postos de combustível, mercados e farmácias. A entrevista do presidente foi transmitida nas redes sociais.

Questionado pelos jornalistas para que desse mais detalhes sobre esse decreto, Bolsonaro afirmou que ainda precisa ver se é possível legalmente tomar essa decisão. Segundo ele, essa teria sido uma ideia que teve na hora, um "insight".

Veja também no BOONDE News:

FOGO AMIGO QUEIMANDO TUDO (BOONDE News)

Coronavírus: Por que população não deve seguir pronunciamento de Bolsonaro (UOLNoticias)

Prefeito de São Bernardo e deputada estão com coronavírus (Estadão)

Maia: 'Investidores da bolsa querem o fim do isolamento' (Estadão)

'Pula e nada acontece': dados desmentem Bolsonaro (BBC News)

Um decreto presidencial tem validade imediata, podendo ser contestado por parlamentares apenas por meio de um projeto de decreto legislativo. Já existe um em vigor, o Decreto 10.282, de 20 de março, que definiu o que seriam as atividades consideradas essenciais, como serviços de saúde, que ficariam fora das restrições impostas pelos atos dos governadores de Estado. Na última quinta-feira, 26, Bolsonaro editou um novo decreto para incluir lotéricas e templos religiosos no rol de atividades essenciais.

O presidente disse ainda que vai recorrer da decisão judicial que derrubou decreto da semana passada que permitia funcionamento de lotéricas no Brasil. Segundo ele, o serviço é, muitas vezes, a única agência bancária da cidade. "(A pessoa) vai ter que mudar de cidade para pagar o boleto, para receber seu dinheiro do Bolsa Família. Derrubaram e vou ter que recorrer. Vamos começar agora uma guerra de liminares", afirmou.

Na manhã deste domingo, um dia após o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, pedir, em reunião tensa, que o presidente não menosprezasse a gravidade da pandemia do novo coronavírus em suas manifestações públicas, Bolsonaro foi às ruas. O presidente sorriu e brincou todas as vezes que populares chegavam para cumprimentar com apertos de mãos, dizia que “não podia”. Mas ficou em meio a aglomerações para tirar fotos e selfies com apoiadores.

O distanciamento social e o isolamento são medidas recomendadas atualmente pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Na semana passada, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, reforçou a tese de que o isolamento social é uma ferramenta de combate ao coronavírus.