A exposição “Mário Fava e a Carretera Panamericana” permite uma viagem sensorial ao tempo. Com recursos de áudio e vídeo, retrata de forma interativa a história da expedição que começou em 1928, durou 10 anos, e passou por 15 diferentes países. Os participantes podem ouvir trechos de conversas entre os expedicionários, além de interessantes entrevistas.

Em um Ford Modelo T, o trio percorreu 28.000 quilômetros, percurso que deu origem à atual Carretera Panamericana. Os três jovens saíram do Brasil com destino aos EUA inspirados em um sonho: queriam provar que era possível unir as Américas por uma rodovia.

Boa parte do caminho foi aberta a pás, picaretas e bananas de dinamite. “Embora as dificuldades tenham sido significativas, a força de vontade de nosso intrépido mecânico e seus dois companheiros não os deixou abater. E conseguiram, com incansável determinação, concluir o traçado da rodovia. Alguns instrumentos ajudaram na missão, entre eles a bússola, e também o teodolito e o sextante, os quais medem ângulos”, ressalta o curador José Augusto Barboza Cava, o Cavinha.

Pelas cidades que passavam, os expedicionários eram tratados como visitas ilustres. Nos Estados Unidos, ponto final da expedição, foram recebidos pelo lendário Henry Ford, em Detroit, e reuniram-se com o então presidente Franklin Delano Roosevelt, na Casa Branca.

História real

A coordenadora geral do projeto, Renata Prado, destaca que a exposição reúne documentos, fotos e objetos de época que ilustram a história em cada um dos 15 países visitados, por meio de pesquisas realizadas com moradores e pesquisadores locais que arquivaram jornais, fotos e histórias da época.  

“Nosso objetivo é levar o visitante em uma viagem pelo tempo, fazendo com que ele absorva o conteúdo da exposição de maneira natural, conhecendo a vida deste herói baririense Mario Fava e os principais trechos dessa grande aventura! Queremos que os cidadãos baririenses sintam-se orgulhosos desse patrimônio cultural”, completa Renata.

Logo na entrada da exposição o visitante é recebido por um interlocutor do museu em um ambiente interativo de boas-vindas, no qual pode conhecer a história desta aventura por meio de projeção de vídeo em alta definição. 

Em seguida, no salão principal da exposição, confere cenário envolvente e cenografia elaborada para narrar a aventura da expedição. Vale destacar o ponto alto da mostra: todos podem conferir, no centro do salão principal, o modelo Ford T utilizado na expedição e a estátua de Mario Fava em tamanho real.

Uma área de imprensa também faz parte da mostra. Ele é composta por arquivo digital contendo matérias, desde a época do início da viagem até os dias de hoje. 

O textos expostos em painéis são acompanhado de tela interativa. Nela, o visitante poderá selecionar o país de seu interesse e ouvir sobre os acontecimentos deste trajeto. É disponibilizado também áudio guia para deficientes visuais. Além disso, o Museu conta com cadeira de rodas para pessoas com mobilidade reduzida.

Serviço:

O Museu fica na rua Tiradentes, 410. Centro.

Telefone: (14) 3662-1317