Durante a madrugada de quarta-feira (13) um grupo de representantes do presidente interino autoproclamado da Venezuela Juan Guaidó, tentaram sem sucesso invadir a embaixada da Venezuela em Brasília. Segundo informações da Polícia Militar do Distrito Federal os invasores chegaram de madrugada e tentaram expulsar funcionários da embaixada que resistiram à invasão.

Partidos se posicionaram contra o ato e o Partido dos Trabalhadores emitiu uma nota dizendo que "repudia energicamente a invasão da Embaixada da Venezuela em Brasília, numa ação violenta de milicianos com a cumplicidade do Ministério das Relações Exteriores do Brasil" e exige "imediata desocupação" e segurança dos funcionários e de suas famílias.

A nota traz ainda menção a uma violação da Convenção de Viena “Trata-se de grave violação da Convenção de Viena e das normas internacionais de convivência entre os países.”.

Nesse emaranhado sobrou ainda para o filho do Presidente Bolsonaro. O Deputado Federal Eduardo Bolsonaro postou em sua conta no Twitter apoio à invasão.

"Esquerdalha foi para a porta da embaixada da Venezuela no Brasil, quero ver é ir para a Venezuela viver como um venezuelano comum", postou, mais tarde.

De acordo com o colunista do UOL Jamil Chade, o post gerou indignação e pânico na diplomacia brasileira. "Entre embaixadores e diplomatas de alto escalão do Brasil, a mensagem de Eduardo Bolsonaro foi interpretado como uma sinalização de que o governo de seu pai pode não fazer um esforço para retirar os invasores, aliados de Juan Guaidó"